12 de março de 2016

« Vais tentar chamar alguém, mas não vai haver ninguém que largue tudo para te ir dar um abraço. Nessa fração de segundo, quando os teus pés perderem o chão, vais-te lembrar do meu carinho e do meu sorriso inocente. Virão súbitas memórias dos nossos momentos, abraços ou até mesmo do sossego quando adormecias no meu peito. E só haverá uma música a repetir no teu rádio: a nossa. E num novo momento vais sentir um aperto no peito, uma pausa na respiração e vais torcer bem forte para ter o nosso mundo de volta. (...) Não terás ninguém para brincar contigo, admirar o pôr-do-sol, ou até mesmo partilhar as tuas histórias com um grande entusiasmo, como o fazias. O nome disso é saudade, aquilo que eu tinha tanto e te falava sempre. (...) Os teus olhos vão ensinar-te o que são lágrimas, aquelas que eu te disse que ardiam tanto. (...) E quando os dias passarem e eu não te ligar, quando nada de bom te acontecer e ninguém te olhar como eu te olhava, vais encontrar a solidão.
E vais ver que diante de tudo isso, alguns dos meus defeitos poderiam ter sido perdoáveis. »

3 comentários:

  1. Descobri o teu blogue hoje e já estou a adorá-lo! Escreves de uma forma incrível! :)

    ResponderEliminar
  2. Querida Abby,
    Eu compreendo perfeitamente aquilo que estás a dizer, pois existem comentários que podem fazer as pessoas pensar: "Hum, ok, escreveu isto por escrever e nem sequer leu o texto" ou "Lol, sim, claro, que novidade".
    Mas JURO que o que escrevo, escrevo com sinceridade e fico muito feliz por saber que entendeste isso. :)
    Obrigada pelas tuas palavras, pelo teu talento e pela tua visita.
    Leio os teus posts como quem come cerejas, ahah!
    Beijinhos e tem uma ótima semana! <3

    ResponderEliminar
  3. Sinto saudades de ler os teus posts! Espero que estejas bem... <3

    ResponderEliminar