13 de janeiro de 2015

Página 97.

Maria era aparentemente uma rapariga como as outras. Cabelo castanho de médio comprimento, rosto oval e uns 55 kg.  Maria tinha tudo para ser feliz. Tinha uns pais e irmãos que a adoravam e faziam tudo por ela apesar das imensas dificuldades que muitas vezes passavam. Tinha a sorte de ter muitos animais ao seu redor e por isso nunca estava sozinha. Se alguém faltasse, ela sabia que tinha sempre por perto o gato ou até mesmo o peixe. 
Ainda assim, havia qualquer coisa no rosto de Maria que transparecia a tristeza profunda que esta sentia. Os seus grandes olhos castanhos eram de tal forma escuros que pareciam vazios. Quem a olhasse nos olhos perdia-se na imensa escuridão que dali viam. Só não entendiam que não eram só os olhos de Maria que estavam na escuridão, na verdade, toda ela estava assim, perdida.  Tudo começara nem sabia bem como, num dia de manhã Maria acordou assim. Claro que não foi do nada, mas a desorientação era tanta que ela não tinha dado conta que estava a descarrilar tanto. Primeiro começou por se esconder atrás de um computador e das magias que este fazia. Ora, hoje em dia ninguém tem como estar sozinho, basta um computador e internet. Há tantos sites onde podemos conhecer outras pessoas. Pelo menos a teoria é simples e parece ser eficaz. Mas não foi assim tão fácil. Percebeu que o estar sozinho, o sentir-se sozinho era nem mais nem menos do que um estado de espírito, um sentimento aspro e negro que a acompanhavam noite e dia.
E por falar em noite... Ao deitar-se verificava se tinha lenços por perto, sabia que ia precisar deles assim que a noite se alonga-se. Nem que fosse para secar as lágrimas. 
Maria lia sempre antes de adormecer e a sua pagina favorita era a 97. Fosse de que livro fosse. Desde que tivesse pelo menos 97 páginas, claro. Ninguém sabia mas na pagina 97, Maria guardava um pequeno envelope onde escondia todos os seus fieis companheiros: os objetos cortantes, um fio e até alguns comprimidos para noites mais difíceis. Ela sabia que não devia, mas as pessoas para além dela, também sabiam que não deviam magoar ninguém e ainda assim magoavam-na. 
Numa noite, a sua dor era tanta, e aquela solidão estava tão entranhada em si que Maria chorava e chorava.. Até que adormecera de tesoura encostada ao pescoço. Ela sabia que não o podia fazer, ainda não era a hora. Mas poder imaginar aquela última dor, aquele eterno alivio...sossegava-a.


18 comentários:

  1. Eu também não vejo nada branco :o Eu não vejo é nada xD

    ResponderEliminar
  2. Eu é quando digo que me sinto mal. Se eu digo isso esquece, caio a seguir. Porque caio mesmo. Aviso sempre antes.

    ResponderEliminar
  3. Não imaginas o quanto este texto me fez chorar, o quanto eu o percebo por todas as minhas noites serem parecidas a isso :'(
    Minha linda, por favor sê forte e não faças nenhum disparate, tens pessoas que se importam comigo :(
    Sabes que estou aqui para o que der e vier

    ResponderEliminar
  4. vou seguir o teu blog, caso precises de mim, sabes onde me encontrar

    ResponderEliminar
  5. Gostei muito do texto, dramático e muito forte

    ResponderEliminar
  6. Não gosto nadinha de ler estas coisas e tu sabes porquê!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. r: sabes tão bem quanto eu que não é «só um texto» querida Abby!

      Eliminar
    2. r: não sou boa a fingir :p eu quero ver-te bem ok? Sem desculpas!! Ouve música que te alegre, aparvalha à frente do espelho a fazer caretas, lê coisas motivadoras, não me interessa, mas faz qualquer coisa que contrarie esse estado de tristeza! Tens a vida inteira à tua frente querida, vá lá. Forcinha*

      Eliminar
  7. r: sim, porque me revi muito neste texto, na altura em que também fazia essas coisas

    ResponderEliminar
  8. Tenho um TAG ali no meu cantinho ;)
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  9. NEM PENSES!
    Ainda tens muito para ver, sossega porquê? Ficava muita coisa por fazer e viver tenho a certeza.
    O texto pode ser fictício mas tenho a certeza que há uma ponta de verdade aí por trás, se bem te conheço!

    R: Fui eu que disse isso? :o
    Claro que consegues! Se acreditares*

    ResponderEliminar
  10. foram tempos negros.. e não imaginas o quanto lamento por estares a passar agora, por isso é que gostava muito de te ajudar linda

    ResponderEliminar
  11. sempre que estiveres a sentir-te fraca, a sentir vontade de o fazer manda-me um email, se for preciso falamos e pelo dou nr e ligas sempre que tiveres vontade de gritar, sempre que achares que tens o mundo contra ti, que dizes? nesses momentos tens de ver que tens gente do teu lado, gente que se preocupa contigo e que não estás sozinha

    ResponderEliminar
  12. pensa que eu, que passei pelo mesmo, estou aqui e talvez melhor que ninguém te percebo! tu não me vais massar, antes pelo contrário, prefiro que mesmo que sintas vontade de te afastar de todos, me ligues ou mandes um email e grites, chores, o que quiseres! se quiseres estou calada, mas podes ter a certeza que não me vais massar e mesmo não te conhecendo sou capaz de pegar no carro e ir ter contigo onde quer quer que seja porque eu sei o quão mau isso é e quero poder ajudar-te como ninguém daqueles que pensava ser os meus verdadeiros amigos me ajudou

    ResponderEliminar
  13. acredita que as palavras que te disse são mesmo verdadeiras princesa!

    ResponderEliminar
  14. r: Já sabes que podes contar comigo. Mas tens de ouvir o que te dizem...

    ResponderEliminar